FÃ CLUBE POTTERMANIACOS BRASIL! || [ANO 2] A Magia Nunca Acaba Para Nós!
sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

PostHeaderIcon Confira a Resenha de "The Woman In Black"!

O Novo trabalho de Daniel Radcliffe está prestes a ser lançado. O Novo filme do ex-bruxinho Harry Potter chegará as cinemas brasileiros em 24 de Fevereiro.
Aqui no site nós ja falamos um pouco sobre esse projeto, e agora, aqui, você poderá ver a resenha do filme divulgada pela Total Film, que foi Escrita por Matt Glasby.
Confira a seguir...

The Woman In Black (A Mulher de Preto)
Harry Potter and the half-dead bint. (Harry Potter e a mulher meio-morta)

A vida segue em frente depois de tudo? O renovado Hammer Studios e o ex-aluno de Hogwarts Daniel Radcliffe, ambos britânicos, certamente esperam que sim. Seguindo em frente com uma adaptação da história fantasma de Susan Hill, de 1983, mais conhecida nos palcos do West End, em que é encenada desde 1989, certamente parece ser o caso.
Sob a orientação de James Watkins, roteirista e diretor do filme de terror Eden Lake, Radcliffe interpreta o advogado vitoriano Arthur Kipps. Deixando para trás seu filho em Londres, Kipps segue para o norte da aldeia de Crythin Gifford para cuidar dos assuntos da falecida Sra. Drablow, a residente da Eel Marsh House - ou assim parece.
Na aldeia, ele se depara com o nível de hostilidade de Royston Vasey ("Se é uma feriado que você quer então é melhor ir para o interior... há muita névoa no mar!", alerta o gerente). Na ilha deserta de Drablow, excluída da ilha principal pelo traiçoeiro (e enganosamente chamado) Caminho das Nove Vidas, ele se depara com algo muito pior.
Das calçadas enevoadas de Londres para as calçadas com espuma de maré-baixa, Watkins evoca uma atmosfera de inquietação tangível, às vezes um pouco tangível demais –  a casa de Drablow pode ser uma das casas mais assombradas já vistas nas telonas.
Encalhado lá durante a noite, Kipps se depara com uma série de situações sobrenaturais, a começar por brinquedos de corda que colocam suas próprias faces pálidas na janela. Às vezes vislumbramos o espectro que dá nome ao filme, mesmo quando ele não aparece de verdade, nos alertando para o fato de que este é um filme de terror sem arrependimento, em vez da abordagem do personagem sugerida pela trágica e um tanto superficial história de Kipps.
Em algumas situações, é extremamente eficaz - a mulher assombra a ilha com a tenacidade de fantasmas mais beligerantes de filmes de terror asiáticos, e ela é genuinamente assustadora. Radcliffe, por sua vez, é fantástico, demonstrando a palidez de um homem assombrado.
Há uma forte preocupação de moradores locais, como Ciarán Hinds (irmão de Dumbledore em Relíquias da Morte Parte 2) e há uma grande sequência em que se vê Kipps submergir na lama negra da calçada. Ter um Guelrricho seria definitivamente uma vantagem.
O final pode ser um pouco extravagante, mas, na maioria das vezes, Watkins e a roteirista Jane Goldman (X-Men: Primeira Classe) conseguem material familiar, divertido, eficiente e assustador. A vida segue em frente, o astro e o estúdio podem descansar facilmente - mesmo que ninguém mais possa.
Veredicto: Um filme de terror de herança tão clássica que chega a desviar-se para uma vida simples, a história de um fantasma antiquado e sem pudor beneficiou a performance de Radcliffe e a complacência de Watkins de dar tudo por um susto.

1 comentários:

Rudy Borgs disse...

Curti <3

Postar um comentário

Guia de Madame Pince!